Quadrinhos têm se mostrado um meio em constante evolução e ainda assim acaba escravizando autores a uma restrita forma. Ângulos dinâmicos, traços vetorizados e cores vibrantes povoam aos montes suas histórias, mas vez ou outra vemos a obra de um autor que ousa brincar com o que os quadrinhos podem oferecer. Escrito e desenhado pelo niteroiense Bruno Moraes, Porco (00) é uma dessas obras que nasce de um amor puro ao gênero, sem medo de questionar as normas.

Afável desafio

O quão surpreendente pode ser a viagem de um casal pelo espaço em busca de espécimes misteriosos? Nas mãos de Bruno Moraes, bastante. A curta aventura de Eugênio, Roger e seu Porco encanta em diversos aspectos e o primeiro deles é sem dúvidas o visual. O projeto surgiu para cumprir o desafio Octobit de 2018, proposto pelo próprio autor já alguns anos.

O desafio é nada mais que uma versão pixelada do famoso Inktober, que convida artistas de todo mundo a publicar uma arte inédita pra cada dia do mês de outubro. Espera… PIXELADA? Isso mesmo, toda a arte do quadrinho foi feita em pixel art, como em diversos jogos de video game.

O estilo que ainda floresce em jogos independentes surpreende nas páginas de um gibi — especialmente devido a um traçado deslumbrante, rico em detalhes e com uma paleta enxuta agradável a leitura. Os personagens são rechonchudos com uma proporção que torna toda jornada adorável e ressalta o tom leve do romance. Não é preciso um olhar mais atento para perceber que ele também revigora o formato de maneiras improváveis: além de pixelado, Bruno apostou fundo na visão isométrica.

New Perspective

A mudança de perspectiva foi muito bem aproveitada e abriu novas portas criativas para o autor. Com ambientes que simulam com eficiência um espaço tridimensional, a história ganha uma câmera livre que consegue apresentar múltiplos elementos simultaneamente na página. Se em outras histórias o leitor assume um papel passivo dependente do dinamismo da câmera, aqui ele tem a liberdade de explorar cada cantinho das cenas de acordo com sua curiosidade.

Isso é incorporado de maneira bastante orgânica pelo enredo, que se permite experimentar uma abordagem mais paralela a sua narrativa. No fim, é como se cada cena apresentasse diversas camadas que culminam em uma história mista e singular. Mesmo que a princípio a jornada de Roger e Eugênio seja corriqueira e direta, analisando com calma os quadros emergem as peraltices do intrépido Porco e até mesmo as dinâmicas da fauna local, enriquecendo assim a história principal.

Para esquentar o coração

No final, Porco (00) acaba funcionando tão bem porque cada pequeno detalhe tem algo a acrescentar aos temas da narrativa. Nos sentimos em uma expedição espacial, pois toda essa exploração é enfatizada pela direção de arte e perspectiva peculiar. O sentimento é bem similar ao evocado por games de ação e aventura, como o saudoso Metroid.

Já a simplicidade da história principal e a sutileza da construção de mundo tornam fácil comprar um romance mesmo em um cenário tão adverso. Parte do crédito fica com os próprios personagens. Mesmo com pouco espaço para mostrarem todo seu carisma, suas personalidades complementares cativam. A decisão de apresentar um casal LGBT+ adiciona um contexto que entrega uma profundidade extra.

Diferente da maioria dos romances LGBT+, este traz um casal já formado. Sem precisar lidar com o drama de aceitar sua sexualidade ou as dificuldades sociais de conquistar um namorado numa sociedade homofóbica, o livro escolhe trabalhar a dificuldade diária de manter um relacionamento entre duas pessoas bem diferentes.

Ao longo da aventura, vemos a cumplicidade do casal em vislumbres de uma relação saudável pautada em respeito e apoio mútuo. Ainda assim é possível sentir que eles precisaram passar por muita coisa para estar juntos. Ao sintetizar as motivações da jornada dos heróis, as páginas finais conseguem interligar o romance com a aventura. As frases finais trazem um peso que vai ecoar especialmente com o público queer.

“Parece que não tem volta mesmo, né.”

“Nem que a gente quisesse.”

Capa de Porco (00)

Ficou curioso para entrar no universo de Porco(00)? Você pode encontrar este quadrinho e outros na lojinha do autor clicando aqui. Se quiser acompanhar melhor o querido Bruno Moraes e seu incrível trabalho, você pode encontrá-lo no Instagram e no Twitter.

Show Full Content
Previous A Neozelandesa Lorde brilha no palco do Popload Festival 2018
Next Tempestade Iminente — trazemos as novidades do próximo evento de Overwatch
Close

NEXT STORY

Close

A Força do Querer e a Visibilidade Transexual na Televisão

30 de agosto de 2017
Close