Homem-Aranha é um herói da Marvel criado pela dupla imparável composta por Stan Lee e Steve Ditko, em 1962. Você com certeza o conhece, seja pelos seus quadrinhos mais antigos lançados pela editora Abril, pelas sagas mais modernas lançadas no Brasil pela Panini (e que seguem até hoje), ou pelo desenho dos anos 90. Mas, provavelmente, a maioria entre nós se afeiçoou de verdade com nosso querido Amigão da Vizinhança através da adaptação para os cinema de 2002 dirigida pelo Sam Raimi.

Não que o Homem-Aranha precisasse disso, na época ele já era um dos heróis mais populares do planeta, estrelando em dezenas de animações e séries live action (inclusive essa bizarrice). Mas o filme de Sam Raimi foi crucial para trazer os quadrinhos para um novo nível de popularidade, e o gênero capitalizou muito bem nesse primeiro impulso.

16 anos se passaram e o futuro do Homem-Aranha parecia conturbado, com duas versões do cinema que foram interrompidas bruscamente, e outros heróis ocupando o zeitgeist da cultura pop. Parecia que um dos personagens mais tradicionais a sair dos quadrinhos tinha perdido sua relevância. Ainda bem que 2018 chegou para provar o quanto estávamos errados, pois Peter Parker e seus amigos não só continuam relevantes, como estão mais relevantes do que nunca.

Abaixo, veja 4 motivos pelos quais 2018 é o ano do Homem-Aranha:


CINEMA

O grande renascimento do personagem veio com o casting de Tom Holland, o terceiro ator a vestir a fantasia no cinema. E embora, De Volta Pra Casa (Spider-Man: Homecoming, 2017) tivesse tudo para dar errado, se provou uma das adaptações mais sinceras e bem-feitas do herói para os filmes.

Sim, ele apareceu de repente no já bem estabelecido universo cinematográfico da Marvel, e sim, ele pode até ser apenas um mascote do Tony Stark as vezes, e ainda sim, a Tia May pode estar jovem e atraente demais para ser confortável de assistir, mas o Peter Parker de Tom Holland rapidamente tomou o seu lugar de honra como um dos principais heróis daquele universo.

Esse ano não tivemos nenhum filme dele especificamente, mas mesmo no meio de tantos outros personagens ele conseguiu ter um certo destaque no grande sucesso do ano, Vingadores Guerra Infinita (Avengers: Infinity War, 2018), chegando até a protagonizar um dos melhores e mais emocionantes momentos do filme. Tudo isso preparando terreno para seu retorno triunfal ano que vem, com uma partição no próximo filme dos Vingadores e a sequência da sua aventura solo com Homem-Aranha: Longe de Casa (Spider-Man: Far From Home, 2019), que vai continuar a tendência de ter um ótimo ator como um vilão não-óbvio, ao trazer Jake Gyllenhal como Mysterio.


VIDEOGAME

Um dos jogos mais esperados do ano, o Marvel’s Spider-Man, desenvolvido pela Insomniac Games, foi lançado no começo de Setembro e tomou o mundo. O jogo não só foi um sucesso de crítica como se tornou o exclusivo de Playstation 4 com vendas mais rápidas, vendendo surpreendentes 3,3 milhões de cópias em apenas um final de semana. Nada mal.

Não é pra menos, já que o jogo não só é polido e traz uma jogabilidade divertida e viciante, os criadores mostram a cada segundo que eles realmente gostam e entendem de Homem-Aranha. Tratando a propriedade com um respeito absurdo, mesmo nas horas em que eles tentam variar e criar a sua própria versão daqueles personagens.

O resultado é nada menos que um dos definitivos melhores jogos do ano e uma narrativa tão bem contada que com certeza aparece entre as melhores histórias do Homem-Aranha fora dos quadrinhos.


CINEMA (DE NOVO)

Enquanto isso, longe de Peter Parker, o improvável filme do Venom (2018) estreou semana passada batendo recordes para estreias do mês de Outubro, e mais surpreendente ainda, quase não foi ruim.

Não, o filme não é bom, passa longe disso. Mas também está longe de ser o desastre que poderia ter sido. Tom Hardy e o diretor Ruben Fleischer fazem um trabalho interessante com esses personagens tirando-os da sua área de conforto como apenas um vilão do Homem-Aranha.

Mesmo com grandes problemas, como a falta de pedaços importantes do filme por causa de cortes para diminuir a censura da obra, o filme consegue mostrar pra todos que o universo do Peter Parker, e amigos, é tão rico que consegue criar uma franquia inteira sem o seu protagonista. Venom pode não ter sido tudo isso, mas fez um trabalho tão bom em criar o seu mundo e preparar sua sequência, que eu mal posso esperar pelo próximo.


ANIMAÇÃO (E CINEMA DE NOVO)

Por fim, o último grande momento do Homem-Aranha vem no final do ano com a futura estreia de Homem-Aranha No Aranhaverso (Spider-Man Into The Spider-Verse).

Não só é a estréia nas telonas do Miles Morales, o Homem-Aranha de um universo alternativo quase tão querido pelo público quanto o próprio Peter Parker, mas o filme ousa em vários outros sentidos. Desde no seu estilo de animação, carregado por um pontilhismo digno de páginas de gibi e trazendo um estilo diferente para cada versão do herói, até o uso de um Peter Parker velho, cansado e pronto para passar a tocha, e de mais uma favorita dos fãs, a Spider-Gwen.

Histórias de Homem-Aranha encontrando outras versões de si mesmo não são nada originais, sendo usadas várias vezes nos quadrinhos e também adaptadas para jogos e séries de televisão. Mas isso é apenas um atestado da qualidade e versatilidade desse incrível personagem, e o mundo será um lugar melhor agora que terá essa história contada para uma audiência muito maior, e com um estilo visual tão marcante.


Homem-Aranha é um dos heróis mais importantes na vida de muitos fãs de quadrinhos, ele geralmente é uma porta de entrada para esse mundo de fantasias e maravilhas, e agora, aparecendo em outras mídias com tantas versões diferentes, o personagem está livre para alcançar mais e mais pessoas e isso sempre será algo bom, afinal, poucos heróis conseguem equilibrar tão bem drama e bom-humor e ainda carregar uma linda mensagem. Que venham mais 16 anos de ótimas adaptações, e que todos que se interessem busquem um pouco mais dele na sua casa original, os quadrinhos.

(Enquanto isso, nas páginas dos quadrinhos a saga do clone voltou e o Peter Parker do jogo da Insomniac fez tanto sucesso que apareceu por lá, do lado do herói original, mas não vamos falar sobre isso agora)

Show Full Content
Previous Crítica: A Freira – Garante bons sustos porém peca em inovação
Next BGS2018: Os melhores jogos da feira – Parte 1
Close

NEXT STORY

Close

Rock In Rio é a prova de que praticamos preconceito musical e achamos normal

16 de setembro de 2017
Close