No Man’s Sky retorna ao spotlight com a expansão gratuita “Next“, que chega para finalmente transformar o jogo famigerado pela decepção generalizada e mentiras dos desenvolvedores naquilo que foi prometido em primeiro lugar.

Primeiras Impressões

Além da construção de bases introduzida numa expansão anterior, várias outras pequenas mudanças no sistema de crafting e inventário do jogo foram implementadas. Essa é a primeira grande mudança que jogadores abrindo seus saves antigos irão se deparar. Jogadores iniciantes ou que criarem novos saves irão receber uma boa quantidade de tutoriais explicando os processos. Aqueles abrindo saves antigos não terão o mesmo luxo, e terão que dar uma olhada nuns wikis para se atualizar.

no mans sky next 2

Outra grande mudança vem na interface. Agora é possível acessar certas funções rapidamente com um menu de atalho durante o gameplay. Funções extremamente úteis que incluem chamar rapidamente veículos, colocar e remover estruturas, recarregar sistemas da armas e armadura, e pela primeira vez, mudar a câmera para o modo terceira pessoa. Falar em armas, agora o jogador pode cavar buracos e mudar o terreno com mais facilidade. O scanner também está diferente e mostra a localização de reservas de minerais importantes e elementos importantes do planeta com mais facilidade. Tempo não será mais perdido procurando metais e recursos em vão como na versão anterior. (Amém Senhor)

Gráficos

Não podemos falar de grandes mudanças sem mencionar os gráficos. Os planetas agora tem nuvens. A princípio uma mudança pequena, até você perceber o quão diferente é a sensação de sair e entrar de planetas. As nuvens tem formatos realistas e  volume, e atravessá-las enquanto voa dá uma impressão bem mais impactante e realista. Temos também grama, uma maior diversidade de animais e plantas e água mais realista e bonita. Tudo isso por si só já dá ao jogo um aspecto bem mais polido e definitivamente menos preguiçoso que a versão inicial.

no mans sky next 3

Progressão e Multiplayer

Fora dos aspectos técnicos, temos alterações também na progressão do jogo. Chegar ao centro da galáxia ainda é um objetivo, mas achar as estações Atlas está mais fácil, e a progressão das anomalias espaciais é muito mais interessante, e suas recompensas também. Agora também é possível comandar uma frota de naves de expedição, com direito a cabine de comandante, mapa e administração de naves e missões. A sensação de chamar a nave mãe num planeta no qual você está e olhar para o céu vendo ela aparecer no espaço é sensacional.

O grande foco da expansão Next também vem na forma de modos multiplayer e a possibilidade de finalmente poder encontrar outros jogadores no mundo, recurso que foi falsamente prometido pelos desenvolvedores antes do lançamento do jogo em 2016. Isso, junto ao novo modo de câmera em terceira pessoa, vem com personalização de seu personagem, adicionando mais uma camada de personalização que não era presente antes.

Sobre os pontos negativos:

Nem tudo é um mar de rosas em No Man’s Sky Next. A interface ainda é super complicada e lenta para um jogo de PC e os carregamentos ainda duram uma eternidade. No PC em que o jogo foi testado, consegui rodar Witcher 3, Battlefield 1 e Warframe sem problemas, mas No Man’s Sky, mesmo atualizado, ainda é cheio de bugs, carregamentos inconvenientes, pop-incrashes e lentidão em geral. Com 2 anos de updates desde o lançamento, é visível a ineptidão dos programadores da Hello Games quando se trata de otimização.

no mans sky next 4

Concluindo

No Man’s Sky Next é uma ótima desculpa para voltar e continuar jogando para aqueles que já possuem o jogo. Para aqueles que nunca jogaram, vale a pena pegar o jogo numa promoção da PSN ou da Steam. Apesar de tudo, ainda é muito divertido navegar pelo espaço aberto do jogo, entrar e sair de planetas e construir bases, agora mais ainda com amigos podendo te acompanhar. Aqueles que jogam no PC, porém, estejam atentos para os problemas técnicos que a versão de PS4 não possui tanto.

Show Full Content
Previous Crítica: Pacto – A História de Leopold e Loeb
Next Crítica: Orange Is The New Black (6ª Temporada)
Close

NEXT STORY

Close

Crítica – Thor: Ragnarok é o Melhor do Deus do Trovão

30 de outubro de 2017
Close