Depois da manifestação de um usuário do Twitter, de não aprovar a Velma que estreará na live action de Daphne & Velma do desenho Scooby-Doo, é um pouco preocupante e até cômico a visão de como ainda existem pessoas que acreditam que o feminismo repercute negativamente nas caracterizações das personagens femininas.

A versão que a gente conhece da Velma é aquela nerd que costuma perder seus óculos, com um suéter laranja de gola rolê, saia vinho, meias longas e uma sapatilha. Roupas que não são nem um pouco justas, ou realçam alguma parte do corpo, até porque o desenho foi pensado para um público infantil. Dessa forma, a gente acredita que o que ela veste não tem que ser pensado para ser sensual, não é mesmo?

 

MULHER VS REPRESENTAÇÃO

O cosplay voluptuoso, e até a representação da atriz no primeiro filme, com uma roupa decotada, parecem ter confundido as mentes de quem não assistiu muito o desenho, que acham que a nova versão está errada. Seria talvez uma implicância com o feminismo, e com as mudanças realizadas em algumas personagens?

Velma (Linda Cardellini), em cena em que suas vestes são trocadas

A ideia de não sexualizar o corpo feminino fora de contextos sensuais é uma ideia feminista sim, e que condiz com o pensamento de uma mulher real, que pensa “Como a Velma seria reproduzida numa atriz com suas características e ideias?” ou “Como seria essa personagem se ela existisse?“.

Muitos filmes pecam nessa parte do figurino e distorcem tanto quem eles estão representando, quanto a imagem do que é uma mulher e como ela se veste sempre. Não é a todo momento que a gente tem de estar atrelada a algo sexy, esse é o pensamento. 

 

OS MEMES DA VELMA DE 2018

Alguns entenderam esse raciocínio e outros aproveitaram para fazer muitos memes com o que rolou, olha só:

Velma comediante 2018
Velma maromba 2018

 

Verdade. RT
TUM DUM TSSS

Gostou do post? Ficaremos feliz em saber sua opinião, deixe seu comentário e compartilhe com a gente o que você acha sobre esse assunto!

 

Arte da Capa por Elise Schuenke

Show Full Content
Previous Crítica – Guerra Infinita: A Consagração do Universo Marvel no Cinema
Next Eu não vou escolher minha última música
Close

NEXT STORY

Close

DuckTales: A Lenda e o Remake

15 de agosto de 2017
Close