Se eu te mostrar quem eu sou / Você vai se assustar?“, esta é uma das primeiras frases da canção do cantor paulistano Felipe D’Orazio. Em seu primeiro single Indivíduo, lançado em 2017, Felipe canta sobre aceitação e preconceito. Dono de uma voz poderosa, e um estilo pop rock, ele nos arrepia com o refrão de uma música que nos transporta á momentos de nossa luta como pessoa.

Assim como muitos artistas, ele vem usando das redes sociais e plataformas de Streaming para divulgar seu trabalho, até que chegou nas mãos da nossa Redação. Como bons amigos de vocês, estamos aqui para indicar esta nova voz.

Em entrevista ao Queer As Geek, Felipe nos conta um pouco do que o levou a soltar a voz, e a história por trás de sua canção.

Felipe D'Orazio
Foto: Samatha Gregório

QAG: Como começou sua carreira? O que te instigou a entrar na carreira musical?

Felipe D’Orazio: Costumo brincar que nasci cantando! Não consigo me lembrar, mas minha família me conta que aos 3 anos eu já recebia as pessoas na minha casa fazendo performances, cantando e dançando, fazendo qualquer coisa de microfone. Desde essa época, já tinha um fascínio por palco, uma paixão inexplicável por um mundo que eu mal conhecia, mas que queria fazer parte desde sempre. Lembro de peças de teatro e musicais que ia assistir e ficava sempre torcendo pra chamarem alguém da platéia pra subir no palco e interagir com o elenco. Enfim, me conheci amando cantar, admirando tudo isso. Aos 5 anos, por influência do meu avô materno, comecei a estudar música, não pra cantar, mas pra tocar violino na orquestra de uma igreja, que não tem cantores, apenas instrumentistas. Vivi o restante da minha infância em um lar extremamente religioso, rígido e claustrofóbico, o que fez com que minhas verdadeiras paixões fossem sufocadas temporariamente. Mas consegui tirar bastante proveito de todo esse período que tive apenas uma fatia do bolo, sendo muito cobrado e estudando bastante. Toda essa bagagem musical me serviu pra correr atrás dos meus sonhos, na minha adolescência, de uma forma mais consciente e madura. Foi aos 14 anos que resolvi ter voz, ir contra tudo e todos, e comecei a estudar técnica vocal. Montei uma banda de rock, comecei a compor músicas pra banda e desde permaneço na luta pra conseguir viver daquilo que mais amo fazer. Foram 12 anos com a banda, e em 2016 comecei minha carreira solo, agora mais focado nas minhas raízes, fazendo uma sonoridade mais voltada a música pop.

QAG: Quais artistas influenciam na sua música?

Felipe D’Orazio: Acho que a primeira grande referência e inspiração que eu tive pra me jogar de corpo e alma nos estudos, conhecer e moldar meu instrumento voz e querer me tornar um cantor memorável foi Christina Aguilera. Uma lembrança muito latente é a de quando escutei o álbum Stripped pela primeira vez e pensei: ‘Cara, é isso! Eu quero conseguir um dia soar assim também, alto, forte e visceral como ela faz!’. Mais tarde conheci a interpretação única da Elis Regina e me apaixonei! Outros cantores, como Freddie Mercury, Eddie Vedder, Steven Tyler, Alex Band… nossa, a lista é gigante de vozes que conheci na minha adolescência e que se tornaram grandes referências e influências no processo de construção da minha estética vocal!

Liricamente falando, sempre admirei e valorizei muito as composições do Renato Russo, Cazuza, Lulu Santos… A letra sempre foi algo fundamental pra mim em uma música, e essas referências moldaram meu jeito de escrever, meu jeito de compor!


QAG: Você disse que viveu num lar religioso, o que te reprimiu um pouco. Sabemos que adolescência e crescimento são estágios importantes, mas complicados. Sua música te ajudou nesse processo? De onde vem a inspiração pra suas letras? Sua música reflete sua alma ou o que sente?

Com certeza, a música me ajudou e me salvou de todas as formas! Sempre foi a razão pela qual eu acordava todos os dias disposto a enfrentar o que viesse durante essa fase de tantos conflitos internos e externos! No meio de toda essa tempestuosidade tinha o papel, a caneta, as melodias, os sonhos e a vontade, isso foi e continua sendo a minha força, o que me move diante de qualquer adversidade! Todas as minhas composições são extremamente pessoais, refletem quem eu sou e no que acredito, falam de sentimentos e acontecimentos, do meu jeito de enxergar a vida, o mundo e o que acontece a minha volta! Não haveria pra mim outra maneira de conseguir me expressar, abrir meu coração e expor a minha alma, de um jeito tão libertador e sincero.

QAG: Vamos falar de Indivíduo, inclusive ótima música e clipe. É bem forte, e parece que você esta conversando com alguém na letra. A música é uma mensagem? Pensando no que você citou antes sobre as coisas que te levam a escrever e sua vivência, esta música se encaixa nisso?

Felipe D’Orazio: Totalmente! É a música mais pessoal que eu já compus até agora. ‘Indivíduo’ foi um desabafo após uma discussão familiar. Apesar de ter sido inspirada no discurso de uma pessoa, depois de finalizar a letra eu entendi que era um recado pra tantas outras que fizeram ou fazem parte do meu convívio, inclusive pra mim. A primeira batalha que travei pelo direito de ser, foi contra mim mesmo, quando eu ainda nem sabia ao certo quem eu era, ou fingia não saber, tentava fugir do meu indivíduo. Hoje, depois de supostamente me estender a bandeira branca, quase sempre me pego na auto-sabotagem, na falta de amor próprio, e isso parece não ter fim. Vivemos em um contexto (e não por acaso) primitivo e cruel, repleto de paradigmas, preconceitos e estereótipos por todos os lados, e isso faz a gente ser ainda mais cruel com a nossa própria essência. Vivemos em busca de aceitação, não gosto de usar essa palavra porque não tem o que aceitar, somos quem somos e ponto, mas infelizmente sabemos que não é assim na prática, não somos ainda fraternos uns com os outros e evoluídos a tal ponto. A gente passa por tanta coisa na busca de ser aceito por quem amamos, por alguém importante pra nós e por nós mesmos, é um dilema constante. Essa música é uma reflexão sobre tudo isso!

Felipe D’Orázio lançou nesta última segunda(9) a versão acústica de Indivíduo, que traz ainda mais emoção a esta poderosa música. E ainda promete lançar uma versão remix que sairá em breve.

AGENDA

E tem show marcado! Dia 06 de Maio, Felipe D’Orazio fará um show na Av. Paulista, no palco externo do FIESP! Então se você curtiu o som dele, corre lá para prestigiá-lo,

Vocês podem ver mais de Felipe em suas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter. Sua músicas estão em todas as plataformas: YoutubeSpotify, Deezer, Google PlayiTunes e Napster.

Show Full Content
Previous Crítica – Um Lugar Silencioso transborda da tela do cinema
Next Fada Campeã: Jessie J vence o reality “Singer” na China
Close

NEXT STORY

Close

ENTREVISTA: Linn do Amor, da Liberdade, da Quebrada

16 de janeiro de 2018
Close