Cefore é um título early access criativo e promete com sua mistura de plataforma e puzzle de física. Nós do QAG fomos convidados a dar uma olhadinha nesse conceito que fãs de Portal, Captain Toad e Besiege vão adorar!

Wrecking Crew da geração Steam

Desenvolvido pela Pixelz Games, Cefore (pronúnciado como C4, o explosivo) é um jogo de puzzle de física, envolvendo explosões, ferramentas curiosas e criativas com uma pitada de plataforma. Nele, se controla um simpático agente de demolição com traços de Mario. Ele é equipado com um leque de ferramentas e explosivos que devem ser dispostos no ambiente e nas estruturas. Assim, cria-se reações em cadeia e interações entre os elementos das fases, permitindo a realização dos objetivos.

Visualmente à primeira vista o jogo parece uma variação de Besiege, com foco maior em estruturas modulares e ambientes simplificados. O personagem principal é fofo e simpático, (apesar do controle não ser tanto na fase alpha) e os puzzles fáceis de entender pelo contexto visual.

cefore materia
O estilo visual é simples, porém efetivo e muito fofo.

Dentre as diversas ferramentas que são destravadas durante o jogo, temos jetpacks, que facilitam a travessia, além de explosivos e, a mais curiosa de todas, uma ferramenta que permite entrelaçamento quântico entre dois objetos(!!!). Como assim? Bem, com essa ferramenta você pode conectar elementos do cenário, mesmo que em lugares diferentes, para reagirem como um objeto só a interações do cenário. Por exemplo, conectando-se um bloco a outro distante, se você explodir um deles, ambos blocos vão voar pelos ares. Bem doido, né?

Apesar da falta de qualquer contexto narrativo e uma severa falta de polimento no estado early access atual, o conceito de Cefore promete e estamos ansiosos para o resultado final. Tem lançamento previsto para o primeiro semestre deste ano.

Um trailer para os curiosos:

Clique aqui para conferir o jogo no Steam!

Show Full Content
Previous Novidade: Confira a estréia do projeto Synthlante Sessions com Geo
Next Lollapalooza 2018: Saiba o que levar e não levar ao festival
Close

NEXT STORY

Close

Linn da Quebrada entrega cultura queer e brasilidade em seu álbum visual “Pajubá”

6 de outubro de 2017
Close